Logo Abpass sem fundo.png
Ilustracao  Como o Mundo.png

COMO O MUNDO DEVE COMBATER A OBESIDADE?

 

Enquanto o mundo se concentra no COVID-19, outra pandemia está afetando homens e mulheres globais, no norte e no sul. E as estatísticas exigem ação:

 

  • 2 bilhões de adultos vivem com excesso de peso;
  • quase 3 vezes mais pessoas que vivem com obesidade do que em 1975;
  • a obesidade é evitável e tratável - mas sem ação pode causar câncer, doenças cardíacas e diabetes.

 

Perguntamos aos especialistas como eles ajudariam o mundo a ter um peso mais saudável.

 

Interferência da indústria

 

Kate Oldridge-Taylor, Chefe de Políticas e Assuntos Públicos da WCRF: “A pandemia mostrou porque a saúde da população é tão importante - desde as dietas que ingerimos até o quão ativos somos. Este destaque nos dá a oportunidade de reduzir a obesidade.

 

“Mas, independentemente das pandemias, agora e no futuro, precisamos passar a mensagem de que a obesidade e muitas doenças não transmissíveis podem ser evitadas.”

 

“Sabemos que certas estratégias são eficazes para ajudar as pessoas a fazerem escolhas mais saudáveis:

  • medidas fiscais, como tributação de bebidas açucaradas;
  • restringir onde e quando produtos não saudáveis ​​são comercializados - especialmente para crianças;
  • e rotulando os alimentos de forma clara para mostrar se é uma escolha saudável.

 

“Gerenciar conflitos de interesse e interferência da indústria no desenvolvimento de políticas é vital e requer forte vontade política.”

 

“Com muita facilidade, a indústria é capaz de explorar brechas regulatórias e capitalizar em situações como a pandemia para promover produtos não saudáveis.”

 

“Por último, precisamos mudar os incentivos - agora, doenças e desastres atraem o dinheiro, mas a prevenção não. O financiamento global da prevenção é mínimo. O investimento em saúde foca no tratamento, e isso precisa mudar. E, ao contrário de um surto de doença, a obesidade não é um evento isolado.”

 

“As medidas de obesidade são criticadas como uma reação exagerada ou falta de reconhecimento de que a 'coisa ruim' já aconteceu. Se aprendermos alguma coisa com COVID-19 em nossa gestão da obesidade, precisamos colocar a prevenção no centro da tomada de decisão. ”

 

 

Múltiplas de barreiras

 

Ilustracao Jovens Exercitando.png

Marie Spreckley, Nutricionista Sênior, NHS: “Pacientes com sobrepeso e obesidade enfrentam uma infinidade de barreiras ambientais, sociais, psicológicas e biológicas que precisam ser abordadas de forma compreensivel.”

 

“As barreiras ambientais incluem acesso contínuo e excessivo a alimentos hipercalóricos ultraprocessados ​​a baixo custo. Isso é particularmente problemático quando as circunstâncias sociais resultam em dificuldades financeiras combinadas com a falta de habilidades e tempo para preparar os alimentos.”

 

“Os aspectos psicológicos incluem condições que levam à ingestão excessiva de alimentos, medicamentos que aumentam os níveis de fome e condições psicológicas em decorrência do ganho de peso e do estigma.”

 

“Os aspectos biológicos incluem aspectos genéticos e epigenéticos que tornam o controle do peso significativamente mais difícil.”

 

“Para abordar isso de forma abrangente, levando em consideração a complexidade da doença, precisamos elaborar protocolos de tratamento estratégicos. Eles devem contar com o apoio de uma variedade de disciplinas, incluindo terapeutas comportamentais, nutricionistas, nutrólogos e médicos. As soluções precisam ser escaláveis, mas os requisitos de tratamento individuais diferem significativamente.”

 

“A pesquisa está cada vez mais olhando para as perspectivas de indivíduos com obesidade tentando alcançar a manutenção da perda de peso a longo prazo, o que é provavelmente a chave para o sucesso do tratamento, pois fornece uma ampla gama de percepções das perspectivas dos pacientes.”

 

“Farmacoterapias emergentes que ajudam a regular o apetite e a fome - incluindo a semaglutide - também estão mostrando resultados promissores quando usadas junto com intervenções comportamentais abrangentes. Esta será provavelmente a abordagem mais promissora e escalonável daqui para frente. ”

 

 

Exercitar um luxo?

Ilustracao Mulher com Nutricionista.png

Também entrevistamos especialistas que assinam nosso boletim informativo eletrônico sobre os fatores que levam à obesidade. Respostas incluídas:

 

  • lobbying de grandes negócios;
  • estresse;
  • dietas muito ricas em carboidratos ou muito baixas em alimentos vegetais
  • e marketing de junk food.

 

Outros destacaram a necessidade de aprender com as populações onde a obesidade é menos prevalente e a importância de educar crianças e adultos sobre como é uma dieta saudável. Uma seleção das respostas está incluída abaixo:

 

“Trate as pessoas como indivíduos que não se enquadram no conceito de tamanho único. Ensine às pessoas que elas podem obter carboidratos naturais com as opções de vegetais, especialmente durante a transição da menopausa, e que não precisam ter um terço de seu prato cheio de carboidratos ricos em amido. Dê às pessoas conselhos de qualidade e ajude a orientá-los a fazer suas escolhas dentro desse conselho. ”

(Sasha Skentelbery, supervisora ​​clínica de enfermagem)

 

“Não falamos sobre fatores sociodemográficos o suficiente - a dificuldade de se exercitar e comer bem para pessoas que passam por dificuldades financeiras e sociais, por exemplo, as dificuldades em encontrar tempo para fazer exercícios, ou cozinhar para pessoas que precisam trabalhar em vários empregos para sobreviver, ou dificuldade de acesso a alimentos nutritivos para pessoas com recursos financeiros limitados, educação precária e alfabetização em saúde limitada.”

(O entrevistado pediu para permanecer no anonimato)

 

“Precisamos ser mais fortes, criar mais oportunidades e ajudar as pessoas reduzindo as barreiras ao exercício. É visto como um luxo, deveria ser uma necessidade. ”

(Dr. Athalie Redwood-Mills, conferencista sênior na Nottingham Trent University

e proprietário da FiiT for Life)

 

Artigo original: How should the world tackle obesity?  https://www.wcrf.org/how-should-the-world-tackle-obesity/